HP DM1 3250br

Preços do DM1 no Walmart em 2011

Não, não comprei no Walmart. E paguei menos 50% dessa promo.

O que, como, quando? Comprar hardware antigo? Sim.

O que é afinal um computador? È uma máquina a qual você destina um uso, como um carro ou uma máquina de sorvetes.

Você pode ter uma máquina linda, cheirosa, que faz o sorvete em 1 segundo, saindo em formato de coraçãum (ésse dois) e floquinhos de algodaum doce da barbie? Pode. Ela vai ser melhor que outra máquina que demora meio minuto pra CUSPIR pedaços de sorvete irregulares de formato nojento, mas ainda assim, sorvete? Depende do seu uso.

Já não é a primeira vez que invisto em hardware antigo. Ano passado eu comprei não uma, mas duas máquinas pentium 4, memória ddr2, máxima RAM de 2gb salvo engano, estilo small form factor (máquinas pequenas) que amo, para serem especificamente um caixa reserva em caso de quebra e um computador isolado da rede, para que eu possa fazer manutenção e invenções. “Portáteis”. Ambas gastam pouca energia e servem a seu uso. Vão rodar jogos novos? Serão as mais rápidas do oeste? Poderei ver vídeo 4k nelas? Nem a pau juvenal. Mas rodam o Xp com meus programas facilmente.

Pois bem. Tenho feito o sistema polifásico de sono, como as pessoas podem acompanhar aqui, e umas das coisas que mais acontecem é ter tempo de sobra e ter que se manter acordado. É muito legal no dia a dia, apesar de ser uma briga boa. Mas e no feriado? Longe de casa? Quando todos dormem pela meia noite e você fica até as 2 pra acordar as 5 no meio do mato? Ler um livro nesses horários é impróprio (o sono vence) mas ver filmes/seriados e jogar? Perfeito.

Pude mexer bastante num Hp Mini 110 dos meus pais que anda sub-utilizado por que conseguiram máquinas (muito) melhores. Um dos problemas dessa máquina é que andava esquentando muito. E o que um cara fuçador faz com isso? Desmonta completamente

Vi que o cooler está estragado (estou em vias de instalar “novos”) e que se tem uma coisa que é fácil, é desmontar esse note. E remontar. Aproveitei e fiz um upgrade na memória de 1 pra 2GB.

Agora podia jogar jogos antigos, assistir filmes? Marroumeno. Esse Hp Mini 110 tem um processador Athlon bem fraquinho e apesar de ter uma fanbase boa (O netbookist rules!) é no mínimo, fraco. Como máquina de escrever portátil, pra poder navegar e ter acesso fora do android? Muito bom. No meu uso? Seria uma fonte de decepção. Nunca fui de jogar jogos “novos” mas a data limite dos jogos que rodam, beiram o milênio. Inviável.

Pois no belo do Netbookist, (o cara é um guerreiro que usa o netbook – como são denominados os mini notebooks – em todas as funções),  ele deu umas dicas de compra para quem quisesse um netbook mais potente, pra rodar mais jogos e ver filmes em melhor definição. Foi lá que descobri a existência dos chips da família Fusion E de portáteis da AMD. O que eles tem? Dual core e uma placa gráfica mais forte (ainda que junto do chip, não é considerada integrada, mas separada).

Confesso que pensei em comprar um HP mini 110 pra mim por que querendo ou não, eu não quero dar PT num computador que não é meu totalmente (ele está somente sequestrado pra mim). Mas o preço de um HP Mini? Girando em torno de R$300.

Foi quando pesquisando sobre esses chips da AMD encontrei o HP DM1 3250BR. É um Pavilion posterior à leva de “essa porra da hp esquenta e dá problema pra caraio” de notes/netbooks, com o processador bom. Também tem 2 slots de memória ram e saída de monitor E HDMI.

E o que encontro no Mercado Livre? Um cara vendendo um DM1 cujo problema principal é que… faltam 3 teclas. Por um preço inferior a um HP mini 110. Sabendo da facilidade que é fazer manutenção nos notes da HP (pelo menos no Mini e nesse) dei meus pulos e hoje sou um feliz proprietário. As teclas? Relativamente fáceis de trocar.

Estou no processo de melhorar as peças que vieram nele, mas resolvi deixar logo um review antes. O próximo post.