Céu de Aranhas – Aranha do Cerrado – Aranhas-Sociais ou Coloniais

Andando por esse mundo de meu Deus, por duas vezes tive o prazer de encontrar o que na falta de definição melhor era uma Colméia de Aranhas.

A primeira vez estava descalço, sozinho e correndo pelo pasto. Basicamente eu esqueci minha máquina fotográfica “de filme”…

Coisas de séculos atrás

… na cachoeira próxima de Baianópolis – Pequi (onde sempre vou). È mais ou menos assim, vc pula uma cerca e corre uns 2 km até o rio. Se pula a cerca, por que o dono dafazenda não curte que pessoas andem em suas terras e não deixa mais abrir a porteira.

Supondo que existe maré, imaginei que a câmera (que estava no raso) seria levada pelo rio quando o rio “subisse”. Existe maré de rio?

Pois bem, como não havia tempo hábil pra descer até a Baianópolis de bóia (trajeto que prefiro fazer) consegui convencer minha mãe a me levar até a beira da estrada e me esperar no carro, enquanto o bobão aqui descia até o rio e voltava. Sozinho.

Mesmo tendo um pouco de receio, desci até lá, costeando as trilhas já conhecidas. Ao chegar, decepção, aparentemente a câmera já tinha sido levada pelo rio (e pensando bem, como eu atravessei as corredeiras sozinho???). Pois bem, na volta pelo exacto mesmo caminho acabei sentindo uma teia passar por mim. Já faz um bom tempo que parei com a reação estúpida de sair dando tapas em teias que raspam por mim, por que acho um desperdício do trabalho de uma aranha. Pensa, ela tem basicamente que doar partes do corpo pra construir uma obra arquitetônica que eu ou você, só com os flúidos de nossos corpos, levaríamos até meses pra fazer.

Pois bem, recuei e pude olhar direito para a teia. Vale llembrar que passei pelo mesmo local minutos antes.

Era uma teia que deitava no pasto de uma árvore. Caía a noite então pra ver quem fez essa arte, precisava olhar a teia contra o céu azul que escurecia. Não vi uma, nem duas. Vi centenas! Foi uma coisa incrível pois sempre achei que aranhas são solitárias ou pelo menos evitam grandes concentrações.  Conheço espécies que fêmeas e machos só se encontram pra acasalar e o macho tem que escapar ligeiro para não morrer! Pois ali tinha uma prova de que não era assim. Aliás, era aranha pra caraio. E nem uma forma de provar aém de minha palavra. Se pelo menos tivesse minha câmera (Seria inútil, a camera a prova dágua não tem flash. Sairiam ursos negros na floresta negra durante a meia noite sem lua de um eclipse. Na sombra).

Maravilhado, procurei informação mas daí ignorei. Poderia ser um evento único, ou alucinação minha. Aprendi que minha memória foi contaminada por muitos livros e filmes e a realidade é uma questão de percepção.

Ok. à história.

Voltando de um “bate volta” (vai num dia volta no outro) do Piki com a galera do Couchsurfing, é claro que o pessoal parou pra tirar um foto da placa “Baianópolis > 5 KM – Fala Verdade > 15km).

Unico Toscão

Sou o único tosco diferentão. Aliás estava beeem mais escuro, lembre-se. A camera é que é boa.

Pois ao povo olhar bem, viu uma teia gigante atrás da placa. E uma porrada de aranhas. Eu não era louco afinal.

Um pouco mais de atenção e percebemos que a estrada que continua (Pra fazenda Bela Vista) estava com.. bem.

Isso

Isso

Creio eu que num espaço largo o bastante pra passar dois carros um ao lado do outro (uma rua, vá) as aranhas fizeram uma teia desde essa placa atéééé o outro lado. Creio que dava pelo menos uns 10 metros. E se eu vi centenas aquela vez, agora foram bem mais!

E pude filmar, apesar das besteiras faladas no vídeo, veja.

Pois essas aranhas são Aranha do Cerrado, também conhecidas como Aranhas-Coloniais ou Aranhas-Sociais. São Parawixia bistriata, vivem normalmente no cerrado brasileiro (área onde vivo), mas também são encontradas na Amazônia, Nordeste e Sudeste do Brasil e até América Central. Levando em conta que levei uns 30 anos pra ver uma pela primeira vez, dá pra ter uma noção de que não é comum na minha cidade (mas no meio do mato sim).

parawixia

Pelo que entendi, essas aranhas formam essa aliança quando jovem, mantendo-se numa colônia até chegar a época da cópula, quando se separam e depois morrem. A vida delas dura em torno de 1 ano.

A teia é coletiva, mas pelo que observei, cada aranha tem um circulo de mais ou menos um palmo, onde é responsável por montar uma teia clássica (essa que toda aranha faz0. Se outra aranha invade esse círculo, a aranha que tomou a área pra si, balança a teia como uma criança numa cama elástica. Se alimentam de insetos grande (quando caçam em grupo) ou pequenos.

Também pelo que observei, essas aranhas criam as enormes teias no meio do caminho, onde insetos tendem a passar (seja pela facilidade de não ter árvores, seja pelos insetos atraídos pelos faróis dos carros). Outra coisa que observei que são mais ativas no período entre a tarde/noite, quando saem de uma espécie de bola de aranhas que ficam durante o dia, pra criar as longas teias.

Minha mãe deve ter arrepios só de ver essa foto.

Por que mantém uma “colônia” assim? Para aumentar a chance de sobrevivência, principalmente qundo pequenas. Li que as teias são “impenetráveis sobretudo pra pássaros”, mas duvido.

Pesquisas recentes estudam utilizar o veneno dessas aranhas no tratamento contra Alzenheimer, epilepsia, esquizofrenia e esclerose lateral amiotrófica. Não se preocupe, só existem umas 3 aranhas no mundo capazes de matar humanos (infantes, enfermos, idosos ou debilitados) e essa não é uma delas.

Quase tudo sobre essa aranha foi retirado daqui, visite. Tem uma foto linda de uma.

Ps. Não confundir com as aranhas sociais que foram notícia em Iranduba, no Amazonas esse ano.

Elas são do Gênero anelosimus, tecem as teias NAS árvores (e não de uma a outra ou no meio do caminho).

Aranha Iranduba anelosimus

E são mais assimDetalhe Anelosimus

Anúncios