Viagem pra Europa 2009 – Lá III Praga

Depois da Oktoberfest fomos pra Praga, capital da Republica Tcheca, por que era perto E barato.

Eu quis postergar meu retorno ao Brasil mas não consegui.

Devido a problemas externos (meu irmão) estava sem óculos porque algo (cotovelada na cara) havia derrubado-o no chão de uma boate e eu perdi uma lente. WhataHell, sorte achar O ÒCULOS!

Meu irmão pesquisou e descobriu que a passagem de ida Dresden-Praga era muito cara comprada na Alemanha, devido ao euro. Mas o jeito brasileiro persistiu. Ele tinha uma passagem estudante que dava direito a andar por todo o território alemão (bem, vc compra a passagem por um mês, mas acho que só vendem pra pessoas que moram e estudam lá). O plano foi o seguinte: compramos passagens até a fronteira alemã (pra mim) e 2 passagens para atravessar a fronteira. Do lado tcheco, compramos a passagem até a capital. Em vez de coisa de uns 120 euros total, saiu uns 40. Só que precisamos parar em estações-fantasma como a Bad Schandau (que estava fechada) pra uma conexão e depois em outra estação que nem me atrevo a tentar escrever o nome tcheco, pra comprar a passagem entre a fronteira.

Nesta última acabamos comprando passagens juntos com um árabe que ia à Praga também e até nos deu umas dicas. Os problemas a meu ver eram: teve ameaça de bomba. O cara era realmente dos Emirados Àrabes. Meu irmão tem uns 2 metros e mania de deixar a barba crescer sendo que ele já tem uma cara de turco (Fomos parados em Munique, quase certeza por culpa dele). Fiquei receoso por esses motivos mas foi tudo tranquilo. Sei que é muita paranóia, mas eu escapo de problemas muito maiores pensando bem à frente. Ah, mas essa vez consegui evitar pensar a frente: não tinhamos reservado albergue ou mesmo pesquisado. Ao chegar em Praga, fomos até o centro e resolvemos achar o hostel que tinha um comercial na estação central. Old Prague Hostel. Depois de caminhar bastante encontramos.

Não era um hostel top como o Lollis, era com certeza bem lotado. Chegamos e nos preparamos pra dormir pois já era tarde. O banheiro era ruinzinho e as privadas regulares. Dormimos e ao acordar, percebemos que os banheiros não davam suporte ao tanto de gente nos quartos. Comemos o café e preparamos pra bater perna. Meu irmão queria comprar um casaco para o inverno europeu lá (por ser barato). Compramos no final do dia numa das primeiras lojas que fomos. Ah, e comprei uma toalha de viagem nova pra mim, e meu irmão comprou uma XG pra ele, que depois se arrependeu já que uma pequena como a minha faz o mesmo trabalho.

Andamos por toda a cidade, eventualmente parando em lojas para ver o casaco. Andamos até o castelo que tem a catedral de St Vitus, passamos pela ponte (meio em reforma), bairro judeu, praça do relógio (lugar onde encontrei a melhor cerveja europeia, a Bratwurst mit Brötchen – pão com linguiça – que mais parecia brasileira, só que era a praça mais fedida que encontrei na vida). Descobrimos um shopping perto do centro onde era limpo o bastante para relaxar, mas não tinha chuveiro. Mas tinha wi-fi. E estávamos na cidade velha, onde casas históricas são moradia. Não esqueço eu falando “nossa que prédio bonito, antigo” e ao passar do lado ver um malaco fumando e arrumando a antena da tv da casa dele, no mesmo prédio.

Eu e meu irmão resolvemos mudar de Albergue, pensando ser melhor um em que economizávamos 1 euro cada. Travellers Hostel. MERO ENGANO.

Pra começar: Era em cima de um clube de rock (nem incomodou tanto). Pra economizar, ficamos num quarto pra 16 pessoas. Só que o banheiro era dividido por mais 3 ou 4 quartos de igual tamanho. 3 pias, 3 urinóis e 2 chuveiros para os caras. Era nojento, tanto banheiro quanto “cozinha”. Na verdade acho que o banheiro era mais limpo, mas não é por que o pessoal da limpeza do banheiro se esforçava. Era que o pessoal da limpeza da cozinha era possivelmente o Capitão Feio.

Não era pra ser Capitão Lixo?

Nããão... esse cara teria nojo da cozinha...

Tudo em estado lastimável, sujeira pra todo lado… Mas já dormi em estábulo, conseguiria dormir lá (mas era pior que o estábulo). Como comentei com meu irmão, não podíamos mexer em um nutella esquecido por que os usuários de drogas ficam com fome depois e podem ficar bravos com a gente. Sério.

Pra acabar, quase conseguimos dormir quando chegam nossos colegas de quarto: Um grupo de uns 10 americanos, 5 caras e 5 gurias, fazendo uma puta algazarra. Chegou uma hora que eu intimei o povo a calar a boca, e eles assustados pelo meu visu indiano/maloqueiro/maluco ficaram quietos. Foi quando uma garota teve um longo ataque de espirros… Sei que dormir lá foi uma bosta. Só consegui pelas 3 da manhã quase.

Saímos direto para o shopping pra usar o banheiro, andamos pela cidade (C&A tem em qse todo mundo e é barato) e fomos pra estação tentar comprar uma passagem pro mesmo dia. A passagem de Praga até Dresden deve ter saído coisa de 60 euros total (2 passagens). Meu irmão depois quis comprar passagens pra Europa pra ele, direto de lá, mas não rolava.

A volta foi bem sussegada e chegamos tranquilos em Dresden.

Continua

No capítulo anterior…

Saga inteira 2009

Anúncios